iinsana #8 | Reflexões de Domingo


O que faz você estar, com quem você está? Ou melhor, quem faz você estar com quem está?! É você ou a pessoa?! Ou os dois?!

Você já se perguntou o que faz você estar com o seu parceiro (a)?! Que qualidades, defeitos, momentos te fizeram querer estar com essa pessoa e não com aquela?!

Recentemente discutindo sobre paixão, chegamos eu e a pessoa em questão no denominador comum: “paixão não se explica, ela simplesmente acontece! Quando viu, já foi!! Fudeu!!!”, confesso que mediante esse papo (que surgiu sabe-se lá Deus por que) realizei um mini-flashback das vezes em que me “apaixonei”e o porque isso havia acontecido.

No momento -  imerso pelos mais variados sentimentos -  você  não é capaz de perceber o porque aquilo está acontecendo, só sabe que suas necessidades básicas (como alimentação e sono) foram rapidamente substituídas por horas intermináveis de conversa - que sá suspiros profundos e olhar no horizonte -  com o ser por quem se está apaixonada (quer dieta mais poderosa que a paixão?!).

Mas voltemos ao meu mini-flashback, apaixonar-se é fácil para uns e nem tão fácil para outros (sou desse segundo grupo aí) e olhando as vezes em que estive apaixonada por alguém percebi que por algum motivo, aquela pessoa se enquadrava nos MEUS desejos “do momento”.

Enquanto eu achava que estava encantada com a aparência, ou com a forma que era tratada, em como havia graças a Deus um encaixe na cama, ou talvez o quanto estar perto daquela pessoa O TEMPO TODO me fazia bem, vim a me dar conta anos depois, que além da pessoa que estava ali (e que era real), havia muito das minhas coisas/vontades nesses relacionamentos (me atrevo a dizer que havia muito mais % meus do que dos envolvidos).

Já sabemos que houveram “fins”, porque não foi possível perceber que não era bem assim que a banda tocava. Claro que a pessoa tinha qualidades que obviamente me fizeram ficar apaixonada, mas com o passar do tempo vi que os interesses eram completamente diferentes, que a forma de agir mudava conforme o status de relacionamento, que haviam valores muito opostos aos que eu julgava correto (comigo e com terceiros) e também não quero crer que ouvi coisas que serviram somente para me agradar por tanto tempo. 

Pois bem, eis que comecei esse texto por uma  série de motivos (que não vem ao caso), mas me peguei aqui, num fim de domingo me perguntando porque algumas pessoas insistem tanto em relacionamentos fadados ao fracasso, onde nenhuma das partes está feliz, e o pior há - de verdade - alguém insatisfeito, sem a capacidade de chegar e dizer: “meu bem, não está funcionando!! Você até que é bem bacana, mas não vai rolar! Desculpe, não sou eu, nem é você, somos esse nós que não funciona!”.

Mas não!!! As pessoas seguem nos relacionamentos, por vezes se machucando mais do que machucando o outro (falo isso quando penso em brigas, traições e o famoso “bunda com bunda” de quem dorme/mora junto).

E sabe que fica interessante quando você passa a se entender, saber o que aceita ceder e o que não vai modificar nem fodendo, você entra quase que numa linha de “seleção natural”, titio Darwin não falava só das espécies da fauna e flora meus queridos, é possível presenciar isso de perto quando falamos do homo sapiens (a saber que sim, Darwin escreveu sobre o homem, mas não aplicaremos a frase, muito menos ao conteúdo deste texto).

O receio da negativa quando estamos em fase de conquista, onde você vai lançar mão de todas as suas artimanhas para fazer com que o outro se apaixone, pode ser torturante se do outro lado houver alguém inseguro o bastante para te sinalizar de cada passo que deve ser dado e “sutilmente” te avisar sobre reações que você deva ter.  O que aconteceu com a espontaneidade? Com o simples “vou fazer!!! Se der deu, se não der não deu!”. As pessoas chegaram no ponto de armar mil teorias sobre o porque de você não responder ou responder, não visualizar ou falar deste ou daquele jeito.

Não se pode mais ser espontâneo ou natural – peraê!! Tive um insight!! – talvez alguns controles que as pessoas queiram nos exigir seja porque há muito interesse da parte delas e elas não querem nos perder porque somos sua metade da laranja e consequentemente porque hoje em dia ninguém mais pode demonstrar nada, elas nos dão mini pistas de que estão interessadas querendo controlar tudo?! Se você leu esse parágrafo e pensou: “essa guria é iinsana mesmo!! Que porra é essa?! Que exagero, credo!”, pois bem querida (o) tamô junto.

Bom, esse texto imenso (com puta dificuldade de escrever numa mesma frase as palavras “eu + apaixonada”) com toda essa reflexão, é pra dizer: parem de ser uns filhos da puta com vocês mesmos e com as pessoas!!! Seja você que tá namorando ou tá casado (tá ruim, não tem mais jeito, separa porra!! Essa daí não é a única, nem a última, criatura do mundo)!! Tá solteiro e quer só sexo?! Dá tua deixa de que não tá pelo compromisso (nem vem, todo mundo dá seu jeitinho para deixar claro que no fundo não quer relacionamento, vai que a pessoa do outro lado também só queira um rala e rola?!). Tá solteiro e quer compromisso, qual é a porra do problema em falar?! Que cansou da noite, que quer se aquietar e achar alguém bacana?!

Mas esteja preparado (ou não) para a resposta que vem do outro lado. Você pode sinalizar seus interesses, que podem ser o mesmo da outra pessoa ou não. E gente, qual é o problema de vocês com isso?! Parece pessoal e intranferível a pessoa querer coisas diferentes de você. Lembra do lance da paixão ocorrer do nada?! Nossas prioridades podem mudar?! Podem!! Só parem de levar tão como “é comigo que ele não quer nada”, as vezes é só um momento (que infelizmente era diferente do seu).

Não, nada me aconteceu em particular pra eu estar escrevendo um super texto e sobre esse assunto (conheço bem vocês... parem de fantasiar coisas kkkkkkk) só andei pensando sobre isso e quis compartilhar com vocês, afinal de contas isso aqui é um blog (que as vezes é vlog, vai da disposição de quem vos escreve/grava).

Desculpem pelo sumiço!! Voltamos??!!!




iinsana #7 | Ele é pai, e agora??!

E aíí meus iinsanos e iinsanas, tudo bem com vocês?!!

Dia dos pais está chegando, e eu aqui com meus butiá ("drupas comestíveis, com semente oleaginosa, que aqui no Rio Grande do Sul - normalmente - cai do bolso das pessoas") pensando sobre o tema, e aquela coisa toda tipo, o que eu posso fazer ou falar?!

Podia ter homenageado meu pai??! Podia!!! Álias, paiiiiiêêê te amo!!! Tu é fodásticamente incrível, inclusive álias o cara mais pica foda que conheço, continue assim e viva para sempre!!! Obrigada!! De nada!!!


Mas não!!! Costumo falar da minha visão sobre essa coisa de relacionamento e tal e coisa, e aí que, quem nunca se relacionou com alguém que tivesse filho(s)?! Pois então!!! Eu tenho uma visão muito particular sobre isso, e decidi compartilhar com vocês!!

Ahhhhh, mas vai ter gente que vai dizer "credo Bruna, mas tem que gostar do filho, tem que agradar e se relacionar!!" Ééééé não!!!! Meu bem, o filho é seu?! A responsabilidade é sua?! Pois então!!!!

Eu acredito no seguinte meu povo, filho é pro resto da vida (sim),mas não sendo sua a criança o minimo que você faz é não ser uma tosca e deixar o cara se relacionar com os filhos (sim gurizada, isso conta pros homens também), ciuminho imbecil não fortalece (nem a amizade)!!!!

De resto, a medida que o tempo passa e você conhece pai, filho e a ex (sim eu sei, ela pode até ser um exu caveira mas tá no pacote meu amor, aceita que doí menos) a relação vai se fortalecendo, porque é preciso ter confiança e calma nessas horas, e aos poucos tu vai encontrando teu espaço e se relacionando com todo mundo.

Mas lembre-se você não é mãe (nem pai) de ninguém!!! Sendo o exxxxxx cônjuge presente ou não,esse ser humano tem pai e mãe, e você querida é só a "namorada do papai".

Bueno, o que quero dizer é, você pode ter uma relação super bacana com a criança/adolescente e com a (o) ex?! Pode!!! Mas não assuma um papel que não é seu!!! 

Inclusive um beijo grande pra Ligia (uma ex bacana, que além de mãe de um mocinho fofo, ainda é uma parceira ótima!! Isso é o que acontece quando você sabe seu lugar, e quando o carinho que você tem pelo filho dos outros é genuíno)!!

E meu muito obrigada ao Luciano do Bee.W Hostel que cedeu esse setting lindo para a filmagem!!!


Curte o vídeo aí!!!